Prêmio São Paulo

 

Saiu o resultado de mais um prêmio literário – o mais valioso, diga-se de passagem.

 

É o Prêmio São Paulo de Literatura, que deu 200 mil reais para o melhor romance de 2007. E mais 200 mil para o melhor romance de autor estreante.

 

Ganhou Cristovão Tezza.

 

Que já tinha levado o Jabuti de Melhor Romance e o Portugal Telecom.

 

Claro que sempre tem algum chato que vai questionar (que outro mundo tem mais donos da verdade do que o da cultura & assemelhados?). Deixe passar.

 

Mas O filho eterno é um livro impressionante. Bom literariamente, bom por aquilo que um bom livro tem que ser: capaz de pegar o leitor pelas entranhas.

 

Entre os estreantes, o bom livro de Tatiana Salem Levy levou o dinheirão. Também acho merecido.

 

A chave da casa é bem construído, bem desenvolvido e demonstra maturidade literária.

 

Interessante notar que os dois saíram pela Record – editora que publica dezenas de títulos por mês e nem sempre divulga suficientemente seus livros. Mas que apostou no Prêmio São Paulo – ao contrário de outras editoras, que o ignoraram e perderam uma grande chance de valorizar seus autores.

 

Interessante, também, é que o Prêmio São Paulo chegou de mansinho, mas com a força da grana. Tomara que fique. Já até tenho meus candidatos para o próximo.

 

 

* post anterior sobre o Prêmio São Paulo:

https://paisagensdacritica.wordpress.com/2008/10/16/premio-sp-de-literatura/

 

* comentário sobre O filho eterno, de Cristovão Tezza:

http://paisagensdacritica.zip.net/arch2007-09-23_2007-09-29.html

 

 

 

Anúncios

2 pensamentos sobre “Prêmio São Paulo

  1. bom, eu não conheço o autor, então não tenho como julgar. se é que alguém tem como julgar. que dirá eu, reles mortal. e como já disse aqui, premiações são sempre complexas. mas qualque prêmio em dinheiro para estimular a cultura é sempre bem vindo. que ele produza muito mais com esse incentivo. e prometo tentar ler algo dele. e vc sabe q eu cumpro 🙂 ah, e obrigada por me colocar na lista de blogs. sorry o meu ser tão simplezinho comparado com os outros, mas prometo fazer jus a eles. beijos, pedrita

  2. Realmente o prêmio foi merecido. Li “O filho eterno” depois do comentário sobre o Prêmio São Paulo e foi um livro que realmente revirou alguns fantasmas que eu cultivo desde a adolescencia. Ali eu me vi ao descobrir a doença do meu filho e vi o meu pai perdendo um filho e depois vendo o outro doente. Foi um experiência aterradora, mas também vivicante. Quanto à Editora Record, já tem algum tempo que acompanho os seus lançamentos, e só tenho que torcer para que ele incentive mais os seus autores e que seu exemplo seja seguido no próximo prêmio São Paulo.

    Abraço,

    Dennis.

Deixe uma resposta para Dennis Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s